Este livro fácil de ler vai ajudá-lo a pensar claramente sobre os animais.

Você vai se perguntar: "Por que eu não pensei nisso desta maneira antes?"

Coma com consciência


by

Gary L. Francione &
Anna Charlton

Onde comprar?

Livro digital:
Amazon.com.br
Amazon.com
Amazon.es

Livro impresso:
Amazon.com
Amazon.es

O professor Gary L. Francione e a professora Anna Charlton, que são veganos há muito tempo, explicam por que o uso de animais para alimentação contraria a intuição moral amplamente compartilhada de que prejudicar os animais desnecessariamente é errado. Eles abordam cerca de 30 perguntas e objeções mais ouvidas a respeito de uma dieta vegana (veja abaixo) e mostram que nenhuma das nossas desculpas para consumir animais funciona. Repleto de pensamento claro, senso comum sobre ética animal, sem jargão ou teoria abstrata, este livro curto escrito de forma eloquente mudará a sua maneira de pensar sobre o que você consome.

Resumo

Todos nós concordamos que os animais importam moralmente e que é errado infligir sofrimento e morte desnecessários aos animais. Embora possamos discordar sobre se alguns usos específicos de animais possam ser qualificados como necessários, o prazer, a conveniência ou a diversão não podem, com certeza, ser razões aceitáveis ​​para prejudicar ou matar animais, porque eles não envolvem necessidade. Somos contra atividades como rinha de cães, onde os animais são prejudicados apenas por proporcionar prazer a algumas pessoas, como o malvisto Michael Vick.

Então, como podemos justificar o fato de que nós matamos muitos bilhões de animais terrestres e de peixes a cada ano para comida? Mesmo sob as circunstâncias mais "humanitárias", o uso de animais para alimentação provoca sofrimento e morte. Não podemos justificar a nossa participação nesta violência alegando que é necessária. Nutricionistas sabem há muito tempo que os alimentos de origem animal não são necessários para termos uma saúde ótima. De fato, há cada vez mais evidência empírica indicando que eles são prejudiciais à saúde humana. Mesmo se houver desacordo sobre como eles são prejudiciais, existe um amplo consenso de que os produtos animais não são necessários. Além disso, a criação de animais é um desastre ecológico, responsável pela poluição da água, poluição do ar, desmatamento, erosão do solo, aquecimento global, e todos os tipos de outros danos ambientais. E a criação de animais não é necessária para alimentar a população mundial; pelo contrário, ela contribui significativamente para a pobreza e a fome humana através do uso descontroladamente ineficiente da terra arável, alimentos vegetais e água potável.

O nosso prazer do paladar é a melhor justificativa que podemos dar para infligir sofrimento e morte a bilhões de animais que matamos para comida a cada ano. Nós desfrutamos do sabor dos produtos de origem animal como carne, peixe, laticínios e ovos. Mas como isso é diferente, moralmente, de alguém como Michael Vick que diz que gosta de ver os cães lutarem? Algumas pessoas gostam de ficar sentadas ao redor da arena assistindo animais lutarem. O resto de nós aprecia ficar sentado ao redor de uma churrasqueira assando os cadáveres de animais que tiveram que sofrer e morrer para acabar em nossos pratos. Qual é a diferença entre Michael Vick que promovia rinha de cães e o resto de nós que consome alimentos de origem animal?

Este livro mostra que, embora possa haver uma diferença psicológica, não há nenhuma diferença que seja importante moralmente. Quando consumimos alimentos de origem animal, infligimos sofrimento e morte desnecessários aos animais. E nenhum dos argumentos que achamos que possa justificar ou desculpar esse comportamento é válido a partir de uma análise mais detalhada.

Os autores argumentam persuasivamente que a obrigação moral de consumir uma dieta vegana resulta da nossa sabedoria convencional em relação aos animais. Não importa o que você acha da teoria de direitos animais, ou se você sente, como a maioria das pessoas sente, que os seres humanos são mais importantes do que os animais. Se você acha que os animais importam moralmente de alguma forma - se você rejeita a ideia de que os animais são apenas coisas - então suas próprias convicções o comprometem a ter uma dieta vegana.

Como você verá, não há nada de "extremo" sobre o veganismo; o que é extremo é a inconsistência entre o que todos nós dizemos que acreditamos e como agimos quando os animais estão em causa.

Esse livro é para você?

  • Você já amou um animal ou teve um animal de estimação que era parte de sua família?
  • Você acha que os animais importam moralmente?
  • Você sabe de onde vem os seus produtos de origem animal?
  • Você está preocupado/a com o tratamento dos animais em fazendas industriais?
  • Você compra ovos de galinhas “criadas soltas”, leite “orgânico” ou carne de animais “criados em liberdade”?
  • Você já pensou em tornar-se vegetariano/a?
  • Você já é vegetariano/a por razões morais?
  • Você já considerou tornar-se vegano/a?
  • Você tem amigos ou familiares que são veganos e gostaria de entendê-los melhor?
  • Você já é vegano/a e gostaria de aprender formas eficazes de responder perguntas?

Se você respondeu "Sim" a qualquer uma dessas perguntas, este livro foi escrito para você. Não hesite – compre agora!


Sumário

Agradecimentos

Introdução

Duas coisas antes de começarmos

I. Somos todos Michael Vick: nossa esquizofrenia moral

II. “Mas…”: as desculpas que usamos e por que elas não funcionam

  • Mas… de onde você tira a sua proteína?
  • Mas… eu vou conseguir suficiente ferro, se não comer carne?
  • Mas… vou conseguir cálcio suficiente, se não consumir leite e outros produtos lácteos?
  • Mas… meus filhos conseguirão suficiente iodo?
  • Mas… fiquei sabendo de alguém que ficou doente após parar de comer produtos animais.
  • Mas… Deus não quer que comamos animais?
  • Mas… comer produtos animais não é “natural”?
  • Mas… e se todo mundo consumisse somente alimentos vegetais? Não haveria terra suficiente para cultivar comida!
  • Mas… e se eu estivesse numa ilha deserta morrendo de fome?
  • Mas… o que aconteceria a todos esses animais, se não os comêssemos?
  • Mas… nós trouxemos os animais à existência para serem comidos; é para isso que estão aqui.
  • Mas… os animais usados para comida não sofrem tanto quanto os animais usados nas rinhas.
  • Mas… os animais sentem dor da mesma forma que sentimos?
  • Mas… os peixes realmente sentem dor?
  • Mas… não há leis que requerem o tratamento “humanitário” dos animais?
  • Mas… e se melhorássemos o tratamento de animais que usamos para produzir comida?
  • Mas… e se tratássemos os animais usados para comida da mesma forma que tratamos nossos animais de estimação?
  • Mas… não temos que solucionar primeiro as questões de direitos humanos?
  • Mas… e Hitler? Ele era vegetariano.
  • Mas… e as plantas?
  • Mas… consumir produtos de origem animal é uma tradição.
  • Mas… estamos no topo da cadeia alimentar.
  • Mas… eu conheço pessoas que consomem uma dieta vegana que são pregadoras (ou hipócritas).
  • Mas… o que consumimos não é uma questão de escolha?
  • Mas… estou ocupado e comprar um hambúrguer rápido é mais conveniente.
  • Mas… os animais comem outros animais.
  • Mas… eu nunca conseguiria parar de comer [minha comida favorita].
  • Mas… a minha família e meus amigos ficarão aborrecidos se eu parar de consumir alimentos de origem animal.
  • Mas… meu parceiro não concordará com isso, mesmo que eu queira.
  • Mas… não é difícil e caro consumir uma dieta vegana?
  • Mas… eu estou velho demais para mudar.
  • Mas… eu sou jovem demais para mudar.
  • Mas… e se eu não conseguir parar de consumir todos os alimentos de origem animal imediatamente?
  • Mas… consumir alimentos de origem animal produzidos “mais humanitariamente” não é um primeiro bom passo?
  • Mas… ser vegetariano não é um primeiro bom passo?
  • Mas… se aceitar que não posso continuar a consumir carne e outros produtos de origem animal, me comprometo a rejeitar todo uso de animais para qualquer propósito?

III. Conclusão

Leituras recomendadas

Sobre os autores

Notas finais